segunda-feira, 21 de outubro de 2013

O nosso pedigree!

Galera infelizmente ontem não pude publicar nosso post dominical, mas foi por uma boa causa. Porém com atraso de 24 horas estamos aqui para falar sobre um tema muito relevante para quem quer um American Bully como pet e principalmente para quem quer iniciar uma criação. Em qual Kennel Club meu cão deve ser registrado?
Para responder esta questão deveríamos nos aprofundar em cada um dos principais registros que existem por aí. Mas fazendo isso o post ficaria muito grande e a leitura cansativa, então indo diretamente ao assunto, em minha opinião, o principal registro de um American Bully é o ABKC – American Bully Kennel Club. E por que ele é o principal? Por que ele foi criado por quem criou a raça (isso por si só já seria determinante em minha opinião), por que ele foi o primeiro a reconhecer este cão como uma nova raça (surgiu em 2004), por que todos no mundo compram cães com pedigree ABKC e por que seus Bullies Shows são os melhores.
American Bully Kennel Club.
Outro fato determinante para o sucesso da ABKC é que grande parte dos principais American Bullies de renome no mundo tem seus registros na ABKC e estes geram descendentes que também terão registro nesta instituição. Isso gera uma onda positiva e perpetua o registro.  
É claro que a recente notícia de que a UKC está registrando cães da raça American Bully vai dividir os criadores ao redor do mundo, pois trata-se de um registro com mais de 100 anos. Porém vale lembrar que outros registros como IBKC, ABC, ABBA, US Bully Registry etc estão tentando há algum tempo ocupar o posto de registro número um dos American Bullies. Aqui no Brasil a SOBRACI e a promissora American Bully Association tentam ganhar o mercado nacional e surgem como alternativas, mas sinceramente basta o Sr Dave Wilson se coçar coçar e tornar a ABKC cada vez mais global e nem a UKC irá roubar seu posto.

domingo, 13 de outubro de 2013

100% Bully?

Vemos muitos falando sobre o “100% Bully”! Pois bem, o que esse termo quer dizer? O pior é que muitas das vezes esse termo “sai da boca” de quem vende os cães, os ditos “criadores”, mas que ao utilizarem desvaloriza a raça. Ninguém vê anúncios dizendo: “100% Buldog Inglês”, ou “100% Golden Retriever”. Logicamente muito disso tem relação à novidade que são os American Bullies. Porém vejo muitos anúncios de filhotes de American Bullies com o termo “100%”. 
Ora bolas ou é American Bully ou não é American Bully, se existe um pedigree (que nos casos do American Bully existem vários) que define aquele cão como tal, por que o criador tem que dizer o percentual de uma determinada raça que aquele cão carrega? Simples assim! Se o cão é um American Bully documentado (com pedigree) ele é um cão de raça, não existe essa de percentual para afirmar uma qualidade ou fenótipo do cão. 
Logicamente existem American Bullies mais bonitos aos olhos de cada pessoa e ela vai dar valor ao que ela gosta. Porém isso não significa que um cão que não te agrada não seja um autêntico American Bully, tudo depende do trabalho genético que aquele exemplar carrega dentro do objetivo de criação do canil. Agora, se há adição de outras raças diferentemente do American Pit Bull Terrier e American Staffordshire Terrier naquele dito American Bully ai sim o criador deve informar ao comprado qual raça foi adicionada e o objetivo. E por que eu bato sempre na tecla do objetivo? Por que não existe criação sem objetivo, quando isso ocorre é simplesmente um comercio de cães. E galera, antes que me perguntem por que é "permitida" a adição de APBT e AST nos American Bullies, por que até onde consta nos registros literários a raça surgiu a partir da junção desses dois cães. E ainda sim poderia ser indagado se a adição de APBT e AST não seria considerado andar para trás. Olha a resposta para isso é mais simples ainda, o American Bully é uma raça democrática que permite uma variação de 5 padrões (acredito que estamos encaminhando para afunilar isso) de acordo com o principal registro da raça ABKC. E o “refresco” de APBT ou AST pode ser favorável para corrigir uma série de defeitos que muitos American Bullies podem apresentar, tais como prognatismo, estrabismo e fuço curto demais o que neste último pode acarretar problemas respiratórios.
Então caros amigos, vamos esquecer isso de “100% American Bully”, pois isso é redundante quando existem vários pedigrees que regulamentam a raça.  

domingo, 6 de outubro de 2013

Por que custam isso?

Muitos clientes e curiosos chegam até nós e nos perguntam: Por que os American Bullies são “tão caros”? A resposta que eu dou é que eles são caros pelo mesmo motivo que uma Ferrari 430 Scuderia custa um milhão de reais.
Um Buldogue Francês custa de quatro a oito mil reias, assim como um Bull Terrier Miniatura. E por que eles custam esse valor? Vários motivos vão influenciar no preço de um cão. Estrutura do canil, porte do animal, cuidados na criação e dificuldade na procriação, genética que os cães do plantel carregam e o principio básico da oferta e da demanda. Todos esses fatores vão influenciar no valor do cão.
A máxima de que “o que é bom custa caro” não é tão máxima assim para os cães, pois o que é bom para mim, pode não ser bom para você. Mas é claro que cães da mesma raça apresentam uma variedade no preço e isso pode sim ser fruto de qualidade que o filhote possui. Por esses motivos encontramos Bullies de diversos preços, já soube inclusive de filhotes sendo vendidos a trinta mil dólares nos EUA, mas isso não é comum. Hoje encontramos filhotes custando entre dois a doze mil reais.
Nós do Toro de Calle precificamos as ninhadas de acordo com o “trabalho genético” que cada uma carrega. Quanto mais apurado for o “sangue” dentro do nosso objetivo/programa de criação for a ninhada, mais cara ela vai ser.
Há criadores que precificam um filhote ou ninhada de acordo com a cor do pelo e/ou cor da trufa do cão, porém canso de ver filhotes com coloração menos comercial ficarem mais bonitos e harmoniosos que cães que foram escolhidos por conta da sua cor ou marcação. Lógico que o mais experiente criador fica tentado a escolher um cão para o seu plantel por que ele tem uma marcação ou cor fora do comum, mas isso só é determinante para iniciantes.
Existem também aqueles que vendem o cão mais caro ou mais barato caso a venda esteja correlacionada a entrega ou não do pedigree, ou simplesmente por que o cão é registrado nesse ou aquele Kennel Club . Quanto a isso eu sou bem direto, sou totalmente contra aos “criadores” que vendem cães sem pedigree, mas sou igualmente contrário a ideia de que um mesmo filhote possa custar mais ou menos por causa de um pedaço de papel.  Pedigree é importante sim, só vendemos cães com pedigree, mas ninguém sai para passear com o pedigree na coleira.
Então mais uma vez fica a dica para que pesquisem o que está comprando, tente saber por que custa aquele valor e deem valor ao que é bom independente do preço.

*Os valores aqui mencionados foram tirados de sites especializados tais como: WebMotors e Cães&Cia.