segunda-feira, 25 de novembro de 2013

Criação não é para aventureiros!

Bom dia galera que acompanha o Toro de Calle Off! Hoje resolvi fazer um post sobre um tema polêmico, mas bastante corriqueiro para quem está fazendo qualquer tipo de criação comercial, seja ela de qualquer raça de cães, gatos e outros animais considerados pets. Mas do que estou falando? Falo do modismo na criação e a falsa sensação de quem está iniciando que ficará rico da noite para o dia.
Bom, ao começar a introdução deste texto talvez já tenha causado algum impacto em um ou outro, pois utilizei a palavra “comercial” para dar sentido a palavra “criação”, mas isso é mais comum que qualquer um possa imaginar. Nós mesmos aqui no Toro de Calle criamos com o objetivo de gerar lucro. Sim, funcionamos como uma empresa e é claro que adoro o que faço e amo meus cães, mas se não fosse para ganhar dinheiro teria um ou dois em meu quintal e apenas isso.
O que é mito e tabu para muitos é regra para quase todos. Salvo as exceções de grandes empresários, socialites ou até mesmo “pobres” magnatas que são apaixonados por cães e investem pesado em plantel e estrutura apenas para ser competitivo em seu passa tempo.
E vendo tudo isso de fora, cresce absurdamente o numero de pessoas querendo criar American Bully. Pessoas que compram um casal e utilizam o mesmo para tirar um dinheiro extra. Pessoas que tem outras profissões e se dizem criadoras somente para tirar um a mais durante o ano. Isso sempre existiu e sempre vai existir. Sinceramente eu não condeno desde que seja feita da forma correta respeitando os limites dos cães, tendo um acompanhamento veterinário, atendendo bem os clientes etc.
E vocês poderiam me perguntar e por que está crescendo tanto o numero de “criadores” (perceberam as aspas? Rsrs)? Olha a resposta é tão simples quanto o cálculo que o sujeito faz na hora de decidir criar cães. Geralmente ele está procurando um cão para pet e se depara com os preços, pelo porte do cão já imagina quantos filhotes uma cadela pode ter por ninhada e voltando para os preços ele se imagina em uma cama cheia de dinheiro após ter vendido todos os filhotes de uma ninhada de uma cadela que ele nem comprou ainda.
Porém as coisas não são simples assim. Em primeiro lugar você está lidando com vidas e muitos imprevistos podem acontecer. Já parou para imaginar que a cadela pode não ser uma boa matriz? Já colocou o custo de uma ração de qualidade? Já está preparado para limpar muita sujeira de cachorro dia e noite? Está preparado para gastos com veterinários? Está preparado para separar qualquer briga se ela acontecer? Está preparado para colocar os cães para acasalar? Está preparado para cuidar da matriz antes, durante e depois da gestação? E o parto nem se fala. Já se imaginou acordar praticamente de hora em hora para fazer revezamento nas tetas da cadela de modo que todos os filhotes possam mamar? E os gastos com os filhotes até eles irem para um novo lar, já imaginou? Enfim, eu poderia ficar aqui falando inúmeras coisas até o próximo domingo, mas o que eu não poderia deixar de falar que além de tudo isso o comercio de cães (ou qualquer outro pet) ainda sofre como em qualquer outro negócio com a concorrência do mercado e isso na maioria das vezes não é pensado por nenhum criador. A boa notícia é que se você quiser fazer uma coisa séria com um programa de criação bem planejado sempre terá espaço para você! Veja o que aconteceu com o Buldog Francês. Veja quantas pessoas estavam criando a 10 anos atrás e quantas estão criando hoje. Isso devesse ao modismo, você mesmo que está lendo este post já deve ter imaginado adquirir um Buldog Francês. Por isso muita gente começa a criar, mas aquele criador que estava criando a 10 anos, irá continuar no mercado e os aventureiros que vão na onda do modismo vão fazer outra coisa quando a onda passar. Sempre foi assim e irá continuar sendo, falo com propriedade, pois ter um canil sempre foi meu sonho de criança e folhava as páginas da Cães & Cia me imaginando com meus Pit Bulls e pude perceber isso.
Como disse aqui o assunto é polêmico e daria para ficar falando durante toda uma semana, mas como nosso tempo é curto, vamos ficando por aqui. Até a próxima semana!

Nenhum comentário:

Postar um comentário